Siga-nos

História bíblica para reflexão: Conhecendo Deus a partir da história de Abraão

A oferenda de Isaque feita por Abraão é a história da Bíblia que todos nós amamos ler. Depois de ler esta história, cada um terá sua própria compreensão. Alguns vão conhecer Abraão. Outros vão conhecer a Deus. Alguns podem obter uma nova senda de prática na crença em Deus. Recentemente, li um livro que me permitiu compreender a Deus um pouco mais a partir dessa história.

1. O poder de Deus é insondável ao homem. Ninguém pode atrapalhar a obra que Deus tem a intenção de realizar.


Como está registrado nas Escrituras, quando Abraão tinha 100 anos e sua esposa Sara, 90, Deus lhes prometeu um filho. Naquela época, Abraão caiu no riso e disse para si mesmo: “A um homem de cem anos há de nascer um filho? Dará à luz Sara, que tem noventa anos?” (Gênesis 17:17) Para Abraão, era impossível, como se Deus tivesse criado o homem, mas não soubesse quando alguém é capaz de gerar um filho. Na imaginação de Abraão, ele acreditava que não poderia ter um filho com a idade de 100 anos, porque tanto Sara quanto ele tinham passado do tempo para isso. Pela nossa perspectiva, nós também acreditamos que isso é algo impossível para a humanidade. No entanto, o fato contrariou as noções de Abraão, assim como as nossas: Isaque nasceu na época em que Deus prometeu. Para os humanos, isso é impossível, mas pode ser realizado por Deus.

Um livro diz: “Deus não interfere no que o homem pensa ou sabe, mas tampouco renuncia ao Seu plano ou abandona a Sua obra, porque o homem não crê ou não compreende. Os fatos são assim cumpridos de acordo com o plano e os pensamentos de Deus. Isso é exatamente o que vemos na Bíblia: Deus fez com que Isaque nascesse no tempo em que Ele havia estabelecido. Os fatos provam que o comportamento e a conduta do homem impediram a obra de Deus? Não impediram a obra de Deus! A pouca fé do homem em Deus e suas concepções e imaginação sobre Deus afetaram a obra de Deus? Não, não afetaram! De maneira alguma! O plano de gerenciamento de Deus não é afetado por nenhum homem, objeto ou ambiente. Tudo o que Ele determina fazer será concluído e cumprido a tempo e de acordo com o Seu plano, e nenhum homem pode interferir em Sua obra. Deus ignora certos aspectos da tolice e da ignorância do homem, e até certos aspectos da resistência e das concepções do homem sobre Ele, fazendo a obra que Ele deve fazer independentemente. Esse é o caráter de Deus e é um reflexo de Sua onipotência.

Dessas palavras podemos ver que a obra de Deus não foi atrapalhada pela pouca fé de Abraão. Não importa o que Abraão pensou, Deus ainda realizou o que havia prometido de acordo com o Seu plano. A palavra “deve” no trecho: “O meu pacto, porém, estabelecerei com Isaque, que Sara te dará à luz neste tempo determinado, no ano vindouro” (Gênesis 17:21), que revela a autoridade e o poder de Deus. Ninguém pode impedir as coisas que Deus pretende realizar, elas vão acontecer uma após a outra de acordo com o plano Dele. Essa história me permitiu ver que o poder de Deus é insondável para o homem. As palavras de Deus realizam tudo. Depois que Deus fala, a coisa que Ele disse acontecerá. No princípio, quando Deus criou os céus e a terra e todas as coisas, Ele disse: “Haja luz” e a luz passou a existir. Todas as coisas acontecem de acordo com as palavras de Deus. Elas têm autoridade e poder. Isso é o caráter de Deus, Sua autoridade e um reflexo de Sua onipotência.

Depois de compreender a onipotência e soberania de Deus, Sua autoridade e poder, nós desenvolveremos a verdadeira fé em Deus. Quando a obra de Deus não está de acordo com nossas noções, não devemos medir, analisar ou examiná-la com base em nosso pensamento e imaginação. Em vez disso, devemos obedecer à obra e à liderança de Deus, e agir de acordo com as palavras Dele. É dessa forma que deveríamos compreender as coisas, e também a maneira como nós, criações, deveríamos agir, da mesma forma que Abraão. Através de sua experiência, ele adquiriu o verdadeiro conhecimento e entendimento da onipotência e sabedoria de Deus. E quando Deus exigiu que oferecesse Isaque, ele pôde obedecer sem condições. No final, por causa de sua sinceridade e obediência, Abraão recebeu a grande bênção – Deus prometeu que sua descendência seria tão numerosa quanto as estrelas no céu e os grãos de areia da praia.

2. Deus favorece a sinceridade e a obediência da humanidade.


Quando Abraão tinha 100 anos, Deus lhe deu um filho, Isaque. Quando Isaque estava na adolescência, Deus pediu a Abraão que o entregasse Isaque como oferenda. Abraão não discutiu com Deus nem se queixou, muito menos resistiu a Ele. Abraão fez o que Deus ordenou. Como está registrado nas Escrituras: “Levantou-se, pois, Abraão de manhã cedo, albardou o seu jumento, e tomou consigo dois de seus moços e Isaque, seu filho; e, tendo cortado lenha para o holocausto, partiu para ir ao lugar que Deus lhe dissera” (Gênesis 22:3). “Havendo eles chegado ao lugar que Deus lhe dissera, edificou Abraão ali o altar e pôs a lenha em ordem; o amarrou, a Isaque, seu filho, e o deitou sobre o altar em cima da lenha. E, estendendo a mão, pegou no cutelo para imolar a seu filho” (Gênesis 22:9-10). “Por mim mesmo jurei, diz Jeová, porquanto fizeste isto, e não me negaste teu filho, o teu único filho, que deveras te abençoarei, e grandemente multiplicarei a tua descendência, como as estrelas do céu e como a areia que está na praia do mar; e a tua descendência possuirá a porta dos seus inimigos; e em tua descendência serão benditas todas as nações da terra; porquanto obedeceste à minha voz” (Gênesis 22:16-18).

O livro diz: “O que vocês veem na promessa de Deus para Abraão? Deus concedeu grandes bênçãos a Abraão simplesmente porque ele ouviu as palavras de Deus. Embora, aparentemente, isso pareça normal e lógico, nisso vemos o coração de Deus: Deus especialmente valoriza a obediência do homem a Ele e aprecia a compreensão do homem sobre Ele e a sinceridade para com Ele.” “Para Deus, não importa se uma pessoa é grande ou insignificante, desde que possa ouvi-Lo, obedeça às Suas instruções e ao que Ele confia, e possa cooperar com Sua obra, Sua vontade e Seu plano, para que Sua vontade e Seu plano possa ser realizado sem percalços, então essa conduta é digna de Sua lembrança e digna de receber Sua bênção. Deus valoriza essas pessoas e aprecia as ações e amor e afeição que eles têm para com Ele. Essa é a atitude de Deus.

Por essas palavras podemos ver que Deus apreciava a sinceridade e a obediência de Abraão, e o abençoou com base nisso. Deus ocupava um lugar mais importante do que Isaque no coração de Abraão. É por isso que Abraão pôde obedecer a Deus e oferecer seu único filho a Ele. A sinceridade e a obediência de Abraão eram precisamente o que Deus queria. Ele não se importava se Abraão tivesse sido tolo ou se, em algum momento, compreendeu mal ou especulou, Deus levava em conta apenas a sinceridade e a obediência de Abraão. Por causa da sinceridade e da obediência incondicional de Abraão, ele foi abençoado por Deus – seus descendentes foram tão numerosos quanto as estrelas no céu e os grãos de areia da praia. A partir disso, podemos ver que, ao abençoar as pessoas, Deus tem seus próprios princípios. Nem todos podem receber as bênçãos de Deus, somente aqueles que O amam e obedecem de verdade, e aqueles que podem dar testemunho Dele.

E também existiu Jó, que foi abençoado por Deus por dar testemunho Dele. Quando Deus tirou toda a sua riqueza e seus filhos, ele não pecou pelas palavras, mas louvou o nome de Deus. Mais tarde, quando seu corpo estava coberto de feridas, ele ainda conseguiu obedecer a Deus, temê-Lo e evitar o mal. Após os testemunhos de obediência dados por Jó, Deus dobrou as bênçãos e estendeu a expectativa de vida dele.

Depois de conhecer os princípios que Deus usa para abençoar as pessoas, nós obtemos, também, algum conhecimento do caráter justo de Deus. Nós vamos deixar de crer em Deus pensando que seremos abençoados e fazendo as coisas por fazer. Em vez disso, vamos cultivar a esperança de crer e obedecer a Deus como Abraão e Jó, porque só então poderemos receber as bênçãos de Dele.

Depois de entender tudo isso, percebi que o amor de Deus é ilimitado. Ele é cheio de misericórdia e amor por nós. Deus não nos repreenderá nem nos condenará por causa de um pequeno erro ou uma pequena transgressão, ou de nossas especulações, dúvidas e concepções errôneas a respeito Dele. O que Deus valoriza é nossa sinceridade e obediência. Com frequência, não conseguimos entender por completo a obra de Deus, mas sabemos que a essência Dele é o amor. Seus pensamentos são sempre bons. Portanto, se obedecermos à obra que Deus fará sobre nós, certamente receberemos a bênção Dele, como aconteceu com Abraão.


Artigos relacionados:

A história de Jó: o surgimento de doença ou aflição também é a graça de Deus

Jonas e a Baleia – Por que Jonas foi engolido por um grande peixe?

Clique para ler mais

Contate-nos

Diante da proibição de reuniões da igreja durante o COVID-19, o que os cristãos devem fazer? Clique para se juntar a nós em nossas reuniões online.

Venha conversar com a gente! Converse conosco no WhatsApp
WhatsApp

Por favor, leia e concorde com a nossa política de privacidade abaixo para começar a conversar com a gente.

Você leu e concordou com a nossa política de privacidade?