Menu

Me deixando ir, Eu vivo um pouco como um humano (II)

Na manhã seguinte, pensando na promessa que havia feito a Deus, fiquei um pouco arrependida: quer dizer que eu realmente tenho que me desculpar com meus subordinados? Sim, eles normalmente gostam de fofocar, mas se eu de fato me desculpar, e eles comentarem nos outros departamentos, como eu vou ter coragem de encará-los? Eu pensei nisso várias vezes, e continuava me sentindo envergonhada. Na terceira noite após o trabalho, a irmã me mandou uma mensagem e perguntou se eu havia me desculpado com meus subordinados. Eu arrumei uma desculpa, dizendo que tinha esquecido porque estava muito ocupada no trabalho. Então ela disse: “Isso é desculpa. Você está evitando se desculpar, não está?” Eu fiquei com vergonha e disse: “Não, não estou. Eu vou me retratar amanhã.”

No outro dia, quando estava quase indo ao trabalho, a irmã me mandou uma mensagem para me lembrar de praticar a verdade. Eu me senti pressionada, mas sabia que não poderia mais evitar, ou perderia todo meu crédito. Depois que cheguei a empresa, olhei no relógio: meus subordinados chegariam logo. Eu estava ansiosa e não conseguia ficar parada. O pensamento de me desculpar com eles me causava sofrimento. Eu não conseguia fazer aquilo, e eu queria muito desistir da ideia, então teria que mentir para a irmã dizendo que tinha feito. Pensei que não tinha problema mentir de vez em quando! Mas desisti logo, porque, se eu mentisse,ficaria mais desconfortável e tornaria meu erro mais complexo. Eu não sabia o que fazer. Então, eu me lembrei das palavras em um livro: “Quando se pratica a verdade, é inevitável que se sofra por dentro; se, quando colocam a verdade em prática, tudo dentro das pessoas estivesse certo, elas não precisariam ser aperfeiçoadas por Deus, não haveria batalha, e elas não sofreriam. É por causa das muitas coisas que há dentro das pessoas que elas não são aptas para serem usadas por Deus, e visto que há muito do caráter rebelde da carne, que as pessoas precisam aprender a lição de se rebelar contra a carne com mais profundidade. Isso é o que Deus chama de sofrimento pelo qual Ele pediu que o homem passasse com Ele.” Diante de tais palavras, percebi que eu estava profundamente corrompida por Satanás, e por isso estava sendo tão difícil praticar a verdade com a devida humanidade. Nesse ponto, entendi que eu precisava muito ser salva por Deus e entender que hoje ele havia me colocado em uma situação não para me humilhar, mas para me salvar da escravidão de Satanás e me ajudar a aparência de uma pessoa normal. Assim, orei a Deus pedindo coragem e força, com as quais eu poderia praticar a verdade para dar testemunho Dele. Depois que orei, fui ficando mais calma. Todos os subordinados já haviam chegado nesse momento, então, pedi que fossem para a sala de reuniões. Primeiro, eu pedi desculpas, depois abri meu coração dizendo que havia feito coisas que os machucaram, e pedi perdão. Quando terminei de me desculpar, senti como se um grande fardo fosse tirado de meus ombros e relaxei. Eles ficaram surpresos com a minha atitude, mas todos foram bastante compreensivos devido à pressão que eu sofria por ser líder. Vendo como foram razoáveis diante da situação, me senti muito envergonhada: eles eram realmente boas pessoas, e eu os tratei tão mal. Eu era muito má.

Daquele dia em diante, eu almoçava com eles com frequência, e sempre perguntava se eles estavam entendendo os processos do serviço. Eu os ajudava o quanto podia. Eles conversavam comigo sobre seus amigos e família e também sobre o trabalho. Conhecendo-os melhor percebi que eram muito gentis, como meus antigos colegas. Nossas relações ficaram mais harmoniosas.

Muito do trabalho era eu mesma quem fazia e por isso sempre estava cansada fisica e mentalmente. Uma vez em uma reunião, os irmãos e irmãs perguntaram como eu estava. Eu contei a eles minhas opiniões a respeito de meus subordinados e sobre a pressão que eu sofria no trabalho. Então uma irmã disse: “Entre todas as coisas da criação, das grandes às pequenas, das pequenas às microscópicas, não havia nenhuma que não tivesse sido criada pela autoridade e poder do Criador, e havia na existência de cada criatura uma necessidade e um valor únicos e inerentes. Independentemente de suas diferenças de forma e estrutura, tiveram necessariamente de ser feitas pelo Criador para existirem sob a autoridade do Criador.’ ‘Não seja hipócrita; pegue os pontos fortes dos outros para compensar suas próprias deficiências, […] Se você considera os outros menos do que você, você é hipócrita, presunçoso e não beneficia ninguém’”. Depois de ler a palavra, a irmã continuou a comungar isso: “Deus é justo. Embora Ele tenha dado diferentes estaturas e capacidades para cada um, existe valor em cada criatura que Ele criou. Nossos sentimentos de superioridade, a forma como olhamos para o outro como se fosse inferior, a nossa arrogância e presunção fazem com que nós comparemos nossas vantagens com as desvantagens dos outros. Dessa forma, não tratamos os outros como deveríamos, nem deixamos que eles cumpram seus deveres. Você estaria melhor tentando ajudar as pessoas a melhorarem suas capacidades e incentivando-as a trazerem o seu melhor para o trabalho. Ao mesmo tempo, você pode aprender com os pontos fortes dos outros para melhorar suas próprias deficiências e elevar sua própria performance.

Depois de ouvir a comunhão da irmã, eu me senti iluminada: eu sempre me exaltei e diminui os outros por conta do meu grau de escolaridade, esse é o resultado da minha natureza arrogante e vaidosa. Até mesmo pessoas que não acreditam em Deus dizem que todo mundo pode fazer algo, então porque eu não conseguia ver os pontos fortes das pessoas? Se elas fossem mesmo completamente incapazes, como poderiam estar nesta empresa há tantos anos? Talvez eu estivesse errada. Eu deveria acreditar nos pontos fortes de cada um e compartilhar o trabalho com os outros. Nesse momento eu me senti aliviada. No outro dia, comecei a designar tarefas para eles.

Uma tarde, muitos dias depois, eu tinha algo para resolver e tive que sair do trabalho mais cedo. Contudo, ainda havia alguns problemas para solucionar. Enquanto me preocupava pensando o que fazer, me lembrei do que a irmã havia comungado, que cada pessoa tem seus pontos fortes, e que nós devemos confiar nessa capacidade das pessoas ao invés de subestimá-las. Então, eu fui embora e confiei aquela situação aos meus subordinados e apresentei algumas possíveis soluções como referência. No dia seguinte, o gerente me chamou no seu escritório. Fiquei um pouco nervosa: será que havia algo de errado com o trabalho que deixei para meus subordinados ontem? Quando entrei em sua sala vi a expressão séria que ele tinha no rosto, fiquei mais nervosa ainda, pensei: “Deve ter dado algo errado com o trabalho de ontem! Ele vai me dar uma bela bronca de novo.” Eu olhava em volta e não sabia o que fazer quando ele de repente esticou sua mão para me cumprimentar. Antes que eu notasse o que estava acontecendo, ele agarrou minha mão e sorriu para mim : “Os clientes ligaram esta manhã e disseram que o seu time fez um ótimo trabalho. Todos os problemas foram resolvidos com eficiência. E tudo por sua conta.” Eu estava realmente surpresa por ouvir as palavras dele. Eu sabia que os meus subordinados deveriam levar o crédito. Então, eu disse honestamente : “Eu entreguei esse trabalho aos meus subordinados ontem e sai mais cedo porque tinha algumas coisas para resolver. Está tudo na conta deles.” Mas ele disse: “Isso é porque você é uma boa líder.” Eu não estava esperando que o gerente fosse me elogiar, por isso fiquei muito feliz. Mas o que me deixou mais feliz foi que via as ações de Deus e experimentei que Suas palavras são a verdade. Enquanto agisse conforme suas palavras, eu veria a autoridade delas! Graças a Deus.

relações interpessoais

Depois disso, eu rearranjei minhas técnicas de gestão. Primeiro, eu escolhi dois homens, dos dez que haviam, para serem líderes de equipe. Para aqueles que tinham muitas dificuldades os encorajei a aprender com os líderes o que pudessem. Eu estava encarregada do treinamento de líderes. Dessa forma, eu teria mais tempo para fazer as minhas coisas. Depois que comecei a trabalhar assim, eu percebi que cada um colocava seus pontos fortes no serviço. Alguns eram experientes e traziam pontos chave dos problemas e resolviam. Outros trabalhavam lentamente, mas eram cuidadosos e firmes, então, raramente cometiam erros. Outros gostavam de estudar, então quando encontravam um problema que não conseguiam entender, eles pesquisavam na internet ou assistiam vídeos com soluções. Sendo direta, enquanto eles estavam trabalhando não tinham tempo para jogar no celular. Vendo os resultados, eu fiquei muito comovida. Percebi que fui muito ignorante e boba no passado. Se os tivesse treinado antes, eu não teria me cansado tanto. Como o caráter corrupto, arrogante e presunçoso pode machucar.

Em uma reunião, uma irmã comungou isso conosco: “Quando Satanás nos corrompeu, ele destilou todo tipo de veneno satânico no nosso coração. Vivendo dessa forma, tudo que nós transparecemos é um caráter corrupto. Por exemplo: quando estamos sobre a influência da ideia venenosa satânica de que somos nossos ‘próprios senhores’, temos um comportamento arrogante e vaidoso. Em tudo, somos egocêntricos, sempre tentando fazer os outros nos obedecerem, e nunca conseguimos aceitar as sugestões dos outros facilmente. Portanto, se queremos nos livrar dessa arrogância e vaidade, nós precisamos aceitar o julgamento e castigo da palavra de Deus, refletir sobre nosso caráter corrupto e, então, praticar a verdade e viver sob as palavras de Deus.”

Pela comunhão dela, eu percebi que nosso caráter corrupto de arrogância e vaidade está profundamente enraizado em cada um de nós e domina cada palavra e ação nossa. É um caráter satânico que precisa ser resolvido logo. Sendo assim, eu aprendi a me colocar de lado, quando estava com os outros. Quando aparecia alguma discussão no trabalho, eu dava a cada um a chance de opinar. E, quando não concordávamos, eu não ficava irredutível com as minhas ideias, mas colocava o assunto em votação para decidirmos qual seria a melhor solução. Fazendo isso eu descobri que, apesar das ideias de meus subordinados serem convencionais, valiam a pena serem ouvidas. Combinar as sugestões deles com a minha intenção inicial fazia todo o sentido.

Um dia, mais tarde, eu vi essa verdade escrita: “Se o homem desejar ser purificado em sua vida e obter mudanças em seu caráter, se desejar viver uma vida com sentido e cumprir seu dever como criatura, ele precisará aceitar o castigo e o julgamento de Deus e não poderá permitir que a disciplina de Deus e os golpes de Deus se afastem dele, para que ele possa se livrar da manipulação e influência de Satanás e viver na luz de Deus. Saiba que o castigo e o julgamento de Deus são a luz, a luz da salvação do homem, e que não há maior bênção, graça ou proteção para ele.” Pelo julgamento e castigo dessas palavras, percebi que eu era uma pessoa arrogante e presunçosa, que não sabia como considerar, respeitar e amar outros. Como resultado desse caráter corrupto, eu coloquei barreiras, restrições e até mesmo feri as pessoas. Enquanto isso, eu também vi que o caráter humilde e secreto de Deus era lindo e admirável . Eu estava agora disposta a praticar a verdade e viver a humanidade normal de acordo com a palavra Dele. Depois, meu coração ficou aliviado quando aprendi a me colocar de lado e tratar os outros de acordo com as palavras de Deus. Após essas experiências, entendi que o julgamento e o castigo de Deus são a luz, a maior benção e proteção para os humanos. . Só o seu julgamento e castigo me fizeram conhecer meu caráter corrupto e me livrar dele. Estou disposta a aceitar mais do Seu julgamento e castigo e viver como uma pessoa genuína para confortar o coração dele. Toda glória seja dada a Deus!

Por Aimu, Malásia

Tradutora: Tamires Cenachi

Fim

Me deixando ir, Eu vivo um pouco como um humano (I)

Contate-nos

Esperas ansiosamente pela aparição do Senhor? Como o Senhor aparecerá? Como devemos acolher a Sua aparição? Convidamos-lhe sinceramente a juntar-se a nós na nossa reunião online para conversar sobre esse tópico connosco.